Empatia artificial: a revolução do antagonismo na era digital

maxisite_blog_25012019(2)

Apesar de duas palavras antagônicas, a empatia artificial vem ganhando espaço e faz parte da grande transformação digital que está ocorrendo no mundo. Pode parecer estranho que, muitas vezes, as pessoas não tenham a empatia necessária para lidar com os problemas nas empresas, enquanto a tecnologia encontra as respostas e vai além; programa soluções criativas que resolvem pequenos ou grandes problemas num estalo. Mas empatia não é uma capacidade psicológica do indivíduo?

A empatia consiste em tentar compreender sentimentos, emoções e necessidades de outra pessoa. Não é isso que a tecnologia faz com primor? Com o mundo cada vez mais conectado as pessoas não tem dado mais tanta importância a qualidade, mas dão ao fato de não se sentirem compreendidas. Exemplo claro disso é não ficar tão decepcionado com a qualidade de um produto, mas ficar realmente desapontado com o atendimento que o levou a comprá-lo.

Não se pode falar em empatia e atendimento sem falar no marketing conversacional, que tem como principal objetivo criar uma experiência de compra mais humana e personalizada. É o caso do chatbot com inteligência artificial para atender várias pessoas ao mesmo tempo, de forma ininterrupta e personalizada. Essa humanização nas interações faz parte de uma estratégia crucial para tornar cada contato mais próximo. Em outras palavras, todos falam a mesma língua. O resultado parece mágico, e você se sente praticamente no filme do Spike Jonze!

 

Claro que ainda não existe tecnologia como a do filme, mas ele ilustra muito bem como seria a relação entre humanos e computadores se eles tivessem sentimentos.

De volta para o mundo real, pessoal! O Google Duplex é a clara demonstração de como a empatia artificial é capaz de transformar nossas experiências, criando soluções para diversas necessidades. Trata-se de um assistente virtual capaz de realizar reservas de forma humanizada, como você pode ver no vídeo abaixo:

 

Parece que não há limites para o impossível, é o que acontece quando cruzamos habilidades inteligentes a nosso favor e a favor do nosso entendimento em relação às necessidades das outras pessoas, no caso, nossos clientes. Sim, essa transformação digital está realmente acontecendo e ela se chama empatia artificial!

Curtiu esse post? Conheça nossos serviços: www.maxisite.net

Relíquias Tecnológicas: ENIAC

maxisite_20122018_blog(1)

O ENIAC (Electrical Numerical Integrator and Computer) foi o primeiro computador digital eletrônico do mundo, criado pelos cientistas norte-americanos John Eckert e John Mauchly, a pedido do exército dos EUA para o laboratório de pesquisa balística.

O ENIAC era bem pesado e demandava espaço, com suas 30 toneladas, uma área  de 680m², além de 17.468 tubos de vácuo, diodos de cristal de 7200, 1.500 relés, 70.000 resistores e 10.000 capacitores. Tudo isso justifica o custo de produção, US$ 500 mil na época, atualmente cerca de US$ 6 milhões, e também o consumo de energia. Seu hardware consumia 200 mil watts. Dá pra acreditar?

O sistema operacional do “gigante do cérebro”, como era chamado o ENIAC, era bem diferente do que nós temos em mente nos dias de hoje. Nada mais nada menos do que cartões perfurados comandados por um time de funcionárias do exército. Aliás, as primeiras programadoras que nós temos notícias.

As funcionalidades do ENIAC eram avançadíssimas para época, como executar sequências complexas de operações, incluindo loops, ramificações e sub-rotinas. Como levar as questões para mapeamento da máquina era bastante complexo e demorava semanas, foi necessário um outro processo, mais rápido e objetivo. Por este motivo, houve um período de verificação e depuração, ou seja, foi descoberto um “passo único” para a resolução dessas questões pelo computador.

eniacFoto: Programadoras do ENIAC | Reprodução: Foto E.U.A Exército dos arquivos da Biblioteca Técnica ARL

Vídeo – ENIAC

Quem diria que estaríamos onde estamos hoje, né?

Acesse o nosso site e conheça todos os nossos serviços: www.maxisite.net | Fale com a nossa equipe: comercial@maxisite.net

Realidade aumentada: campanha de natal da coca-cola

maxisite_blog_13122018

Se você gosta do tradicional e super fofo, diga-se de passagem, urso polar da Coca-Cola, você vai amar esta notícia! A empresa desenvolveu um aplicativo de realidade aumentada, no qual você consegue ficar ainda mais próximo do personagem e sua família, que está completando 25 anos.

O app Natal Coca-Cola, que está disponível para sistemas Android e IOS, dá acesso a um conteúdo exclusivo, passando quatro histórias do símbolo natalino da marca. Para viver esta magia é necessário baixar o aplicativo e escanear as embalagens temáticas da Coca-Cola e Coca-Cola Sem Açúcar. De acordo com a empresa, cada embalagem de 310ml, 350ml, 2L e 3L traz um episódio diferente, todos com áudios e títulos, sendo eles: “Se não consegue, peça ajuda”; “Quando um fala, o outro escuta.”; “Caravanas de Natal” e “Na ceia, todos participam.” Ao escanear as embalagens, elas serão projetadas em ambiente real e uma “porta” se abrirá, “tirando” os ursos da lata e dando vida a eles.

Segundo a Diretora de Comunicação e Marketing da Coca-Cola Brasil, foi encontrada uma oportunidade de trazer esta interação para as embalagens, adicionando tecnologia à magia do Natal, já que cada vez mais pessoas estão conectadas diariamente em seus smartphones.

Além do aplicativo, a marca também traz outras ações para esta época festiva. No e-commerce, combos de ursinho e garrafas de alumínio podem ser personalizadas para presentear ou enfeitar a ceia. Você também encontra bolsas térmicas e garrafinhas de vidro no site. Já na TV, o filme com situações clássicas da data e a mensagem de união podem ser vistos em diversos horários e canais da tv aberta. Temos também as Caravanas, que já estão começando a se espalhar por todas as regiões do país, levando a magia do Natal. Cerca de 80 cidades serão visitadas pelos tradicionais caminhões vermelhos e iluminados da Coca-Cola.

Sabemos que a Coca-Cola sempre traz ideias inovadoras e campanhas de arrasar, mas neste ano eles pensaram bem fora da caixinha e conseguiram criar uma forma de interação familiar, aproximando o cliente da marca e aliando o uso da tecnologia ao nosso lado sentimental. Afinal, quem não quer ver o urso ganhar vida e ficar frente a frente com você?

 

Conheça todos os nossos serviços e se aproxime dos seus clientes: www.maxisite.net | Fale com a nossa equipe: comercial@maxisite.net ou (24) 2237-0107

Internet das coisas: fatos curiosos

maxisite_BLOG_18102018(1)

Você já ouviu falar em internet das coisas? A sigla IoT que, em inglês, é chamada de internet of things, tem ganhado cada vez mais espaço. Mas, afinal de contas, o que isso quer dizer? Objetos, recursos e cidades inteligentes! A internet das coisas possibilita facilidades desde desligar e ligar uma lâmpada até a contribuição para o funcionamento de cidades inteligentes, especialmente grandes metrópoles, reduzindo o desperdício de água, energia e regulando o fluxo urbano, entre outras vantagens.

Qualquer objeto que tenha uma tecla de ‘liga-desliga’, de maneira automática e programada, faz parte desse conceito. O objetivo principal é a facilidade conquistada em diversas atividades do dia a dia. Como, por exemplo, imagine que você está a caminho de uma reunião, aciona seu calendário, e tem acesso a melhor rota a ser seguida. Não só isso, dependendo do trânsito, seu carro pode enviar uma mensagem para a pessoa com quem vai se reunir notificando o atraso. Segundo especialistas da área, haverá mais de 20 bilhões de dispositivos interconectados até 2020. Além disso, alto-falantes e medidores elétricos estão entre os principais dispositivos na área de IoT.

Conheça alguns fatos curiosos sobre a Internet das Coisas!

1. A IoT pode prever necessidades

Imagine que ao usar diariamente os dispositivos conectados na sua casa, você receba notificações sobre o que precisa resolver. Como, por exemplo, produtos que estão faltando na sua geladeira?

2. Cidades inteligentes: uma realidade

Se você acha que é só na sua casa que a IoT pode existir, está redondamente enganado. Na Espanha, por exemplo, há dispositivos instalados para monitorar rachaduras em pontes e rodovias, além de monitores programados para ajudar idosos. Cidades inteiras, principalmente grandes metrópoles, podem se tornar inteligentes; reforçando a segurança e otimizando a produção e redução no gasto de energia.

3. Computadores não fazem parte da IoT

É que o termo é utilizado para dispositivos que geralmente não tem conexão com a internet (lâmpadas, geladeiras, carros), mas que através do trabalho árduo de desenvolvedores passam a realizar determinadas ações sem que haja necessidade de intervenção humana.

internet-das-coisas

Curtiu esse post? Confira todos os nossos serviços: www.maxisite.net

Business Intelligence: o que é e para o que serve?

maxisite_18092018

Você já ouviu falar em BI, ou melhor, business intelligence? Por décadas os empreendedores usavam a experiência no mercado para tomar decisões importantes, mas com o grande avanço tecnológico essa forma de lidar com o próprio negócio mudou de cenário. Abriu-se um espaço para a tomada de decisões estratégicas baseadas em coletas de dados, informações essas adquiridas de algum sistema para ação e monitoramento dos melhores resultados para o seu negócio.

A percepção dos insights e o monitoramento de ações são só algumas das vantagens do business intelligence, você ainda pode contar com novas janelas de oportunidades, identificar custos excedentes e, a partir disso, otimizar preços, além de ter uma gestão muito mais eficiente e otimizada do seu negócio de maneira geral.

Imagine que você tem um sexshop e que seu carro-chefe sempre foi um vibrador da marca x, que já está há algum tempo no mercado. Com o software específico de BI, além do seu e-commerce, você também monitora o interesse pelo produto através das redes sociais, um importante e pertinente indicador para o seu segmento. No entanto, com uma análise detalhada, o produto que antes era seu nº 1 no ranking de vendas teve uma queda brusca de vendas, cerca de 50%. Informação identificada, você descobre que outro produto da mesma marca, só que mais moderno e com mais funcionalidades – com 3 modos de vibração a mais que a versão anterior e à prova d’água – teve um aumento na procura, em cliques e vendas. A partir daí, é possível relacionar cada um dos modelos a uma experiência e proposta diferente um do outro. Como assim? O modelo que é à prova d’água, por exemplo, vai bem na mala se você for viajar pra algum lugar diferente e quiser relaxar, unindo a experiência de conhecer um lugar novo a experiência de conhecer novos modos de vibração. Por que não?

Para continuar no mercado é necessário conhecer as tendências e os hábitos de compra do seu cliente, só assim você saberá qual direção deve tomar para alcançar melhores resultados.

Conte com a Maxisite, conheça nossos serviços: www.maxisite.net