Relíquias Tecnológicas: Máquina de escrever

maxisite_08022019

 

Nós estamos sempre por dentro das novidades do universo tecnológico, mas é só lembrar de algum objeto que tenha feito parte da nossa história para bater aquela nostalgia. O Relíquias Tecnológicas de hoje vai direto para o túnel do tempo de 1714. E você vai embarcar nessa viagem com a gente! Bora? Recordar é viver!

 

Foi em 1974, na antiga Grã-Bretanha, que a rainha Anne concedeu ao engenheiro Mill a primeira patente de que se tem notícia. O objetivo era construir um objeto capaz de imprimir todas as letras em um papel, pano ou qualquer outro material que fosse capaz de transmitir mensagens tão nítidas quanto as de imprensa da época. O resultado não foi muito feliz, porque nem chegou a existir.

 

Mais tarde, durante o século XIX, pessoas de diferentes áreas tentaram aperfeiçoar a ideia do engenheiro. As invenções eram muito desajustadas e algumas pareciam até um piano. Como o objetivo era criar uma máquina capaz de escrever mais rapidamente do que de próprio punho, ninguém teve muita sorte. Até que o inteligentíssimo tipógrafo americano Christopher Latham Sholes (1819-1890), de Milwaukee Wisconsin, fabricou a primeira máquina de escrever que realmente atendia a proposta inicial.

 

Mais tarde, o tipógrafo resolver aperfeiçoar sua invenção e pediu ajuda de seus sócios, Carlos Glidden e Samuel W. Soule. Com algumas adaptações, a máquina passou a imprimir também conjuntos de sinais gráficos, letras e números, sendo muito útil nas repartições públicas e escritórios em geral, que tinham uma coisa em comum: mais pareciam escolas de caligrafia.

 

O segundo modelo, patenteado em 1868, passou por algumas melhorias mecânicas, além de permitir uma escrita mais veloz que a pena. Foi quando a máquina foi levada para o Estado de Nova York para ser produzida em larga escala. No entanto, só em 1873 que o pioneirismo de Sholes somado ao tino comercial de dois especialistas do ramo,  Densmore e Remington, o negócio começou a dar certo: as máquinas passaram a ser produzidas em série e postas à venda.

 

Mais de um século depois de sua invenção, pouca coisa mudou na máquina de escrever. Foi quando em 1872, Thomas Alva Edison projetou a primeira máquina elétrica.

 

Em 1914, outro americano, James Field Smathers, criou a primeira máquina com motor elétrico, que começou a ser produzida seis anos depois.

 

O grande salto foi nos anos 60, quando a máquina de escrever ganhou um disco giratório que continha os tipos de movimento ao longo do papel. E você, já viu uma de perto?

Conheça nossos serviços: www.maxisite.net

 

Relíquias Tecnológicas: ENIAC

maxisite_20122018_blog(1)

O ENIAC (Electrical Numerical Integrator and Computer) foi o primeiro computador digital eletrônico do mundo, criado pelos cientistas norte-americanos John Eckert e John Mauchly, a pedido do exército dos EUA para o laboratório de pesquisa balística.

O ENIAC era bem pesado e demandava espaço, com suas 30 toneladas, uma área  de 680m², além de 17.468 tubos de vácuo, diodos de cristal de 7200, 1.500 relés, 70.000 resistores e 10.000 capacitores. Tudo isso justifica o custo de produção, US$ 500 mil na época, atualmente cerca de US$ 6 milhões, e também o consumo de energia. Seu hardware consumia 200 mil watts. Dá pra acreditar?

O sistema operacional do “gigante do cérebro”, como era chamado o ENIAC, era bem diferente do que nós temos em mente nos dias de hoje. Nada mais nada menos do que cartões perfurados comandados por um time de funcionárias do exército. Aliás, as primeiras programadoras que nós temos notícias.

As funcionalidades do ENIAC eram avançadíssimas para época, como executar sequências complexas de operações, incluindo loops, ramificações e sub-rotinas. Como levar as questões para mapeamento da máquina era bastante complexo e demorava semanas, foi necessário um outro processo, mais rápido e objetivo. Por este motivo, houve um período de verificação e depuração, ou seja, foi descoberto um “passo único” para a resolução dessas questões pelo computador.

eniacFoto: Programadoras do ENIAC | Reprodução: Foto E.U.A Exército dos arquivos da Biblioteca Técnica ARL

Vídeo – ENIAC

Quem diria que estaríamos onde estamos hoje, né?

Acesse o nosso site e conheça todos os nossos serviços: www.maxisite.net | Fale com a nossa equipe: comercial@maxisite.net

Relíquias Tecnológicas: Tamagotchi

maxisite_13112018_blog

Estamos de volta aos anos 90, com a tag Relíquias Tecnológicas! Dessa vez vamos desembarcar no Japão, onde surgiu o tão amado tamagotchi. O bichinho virtual que é uma combinação da palavra tamago (ovo) com o inglês watch vendeu, desde o seu lançamento para outros países em 1996, mais de 76 milhões de unidades.

Quem se lembra da sensação de ligar o aparelho? Era só o ligar o tamagotchi para abrir um ovo na tela, da onde saía o bichinho de estimação. Podíamos alimentá-lo, limpar a sujeira que ele produzia, cuidar dele quando ele estava doente e até desligar a luz quando fosse a hora de dormir.

A boa notícia é que as pessoas, especialmente os amantes dessa relíquia tecnológica, podem encontrar facilmente na internet vários modelos do tamagotchi, inclusive o original.

O relançamento, que foi feito no ano passado, permite que o bichinho emita sons quando precisa de alguma coisa e pode ser resetado para a criação de outro animal, mas essa sensação nunca será como a dos anos 90 ou será que sim?

tamagotchi-2017-1-700x394

Acesse o nosso site e confira os nossos serviços: www.maxisite.net

Relíquias Tecnológicas: Jogo eletrônico “desafio”

maxisite_04092018

Do que você tem saudade? Estamos de volta aos anos 80, com uma relíquia que fez a alegria de muita gente! Com teclas super coloridas, de formato redondo e quase um instrumento musical, o Desafio era motivo pra reunir a criançada dessa geração.

Adivinhou de qual brinquedo estamos falando? Desafio, um jogo de oito sequências de cores e sons que deveria ser repetida pelo jogador “amador” ou “profissional”. A diferença da modalidade estava na velocidade de resposta que o jogador tinha que dar. Quem escolhia o modo amador tinha, claro, mais tempo para pensar na resposta. No modo profissional a resposta tinha que ser praticamente imediata.

O Desafio tinha outra funcionalidade além do jogo. Na função “órgão” ele poderia ser usado como um instrumento, cada cor reproduzia uma nota diferente. Uma brincadeira super divertida pra quem tocava e nem tanto assim pra quem ouvia.

Captura de tela de 2018-08-30 11:12:40

Desafio, o jogo eletrônico de 2ª geração

Acesse o nosso site e confira nossos serviços: www.maxisite.net

Relíquias Tecnológicas: Polaroid

maxisite_16072018_FACEBOOK I BLOG

Nossa tag Relíquias Tecnológicas está de volta! Dessa vez, a nostalgia é pela primeira câmera que estabeleceu o conceito de fotografia em tempo real: a polaroid. A tecnologia inovadora mudou os rumos da fotografia quando surgiu lá em 1948 com a Polaroid 95, lançada e vendida rapidamente.

A esse surgimento, devemos agradecer à filha de Edwin Land que durante as férias perguntou ao pai porque não poderia ver a foto no exato momento em que ela foi tirada. A solução apareceu anos depois, com o surgimento da primeira câmera instantânea.

No começo era preciso remover uma folha de cima da imagem para obter o resultado esperado. Mais tarde, em 1972, a Polaroid surgiu com um filme automático sem que houvesse a necessidade da intervenção do fotógrafo.

Para quem é fã da Polaroid existem modelos super clássicos disponíveis por aí, exemplo da Polaroid SX-70, a máquina mais vendida na década de 70,  além de algumas outras opções como a Polaroid 300 e a Grey Label.

polaroid-SX70

Polaroid XS-70, a mais vendida na década de 70

 

E você, tem seu modelo preferido? Conte pra gente!

 

Acesse o nosso site e confira nossos serviços: www.maxisite.net