Quem compra pela internet?

A Navegg analisou, durante um período de 30 dias, cerca de 19 milhões de internautas que demonstraram na web intenção de compra por algum produto – seja por meio de sites de comparação de preços, compras coletivas ou lojas virtuais.

Quando analisadas apenas as internautas do sexo feminino, as que mais demonstram intenções de compra foram as mulheres de classe A/B, com idade entre 25 e 34 anos. Em seguida, aparecem as internautas também de classe A/B, mas com idade entre 18 e 24 anos. O terceiro perfil feminino que mais procurou por produtos na web é formado por mulheres de classe C, entre 25 e 34 anos.

Ao analisar apenas os internautas do sexo masculino, o perfil mais presente é o composto por homens entre 25 e 34 anos, de classe A/B. Em seguida, homens da mesma faixa etária, mas de classe C. Em terceiro lugar, os homens entre 18 e 24 anos, de classe A/B, foram os que mais demonstram intenções de compra entre os internautas do sexo masculino.

O que os internautas querem comprar? Os grandes campeões são os aparelhos celulares, que foram pesquisados por cerca de 3,3 milhões de internautas. Em seguida, aparecem automóveis, pelos quais três milhões de pessoas demonstraram intenção de compra. Livros surgem em terceiro lugar (2,8 milhões), seguidos por informática (2,42 milhões) e artigos de casa e decoração (2,41 milhões).

Listas de intenções de compra Pelas mulheres, os produtos mais procurados são livros (1,72 milhões), casa e decoração (1,71 milhões) e celulares (1,6 milhões). Só então é que automóveis e informática aparecem: com 1,22 milhões de mulheres buscando esses tipos de produto. Já para os homens, o campeão são automóveis, com 1,6 milhões de internautas demonstrando intenção de compra. No “top 5″ masculino, entram também celulares (1,4 milhões), informática (1,1 milhões), livros (948 mil) e aparelhos de TV (650 mil).

Interesses e intenção de compra Muitos dos conteúdos que o internauta lê na web podem estar diretamente relacionados com suas intenções de compra. A Navegg confirmou isso através da análise da afinidade de determinados assuntos com alguns produtos. Por exemplo: os internautas que lêem sobre automóveis têm interesse 17 vezes maior na compra de um carro do que o restante da web.

Já os internautas que gostam de tecnologia estão 4,3 vezes mais propensos a comprar produtos de informática. O grande campeão é moda: pessoas que lêem sobre o assunto têm chances 18,6 vezes maiores de comprar roupas e acessórios.

Para os que gostam de ler sobre música, as chances de comprar produtos como CDs, DVDs e demais produtos relacionados é oito vezes maior do que a maioria dos internautas. Já para aqueles que lêem sobre beleza, os cosméticos são cinco vezes mais “atraentes” na hora das compras online do que para o restante da web.

Classe C e o desejo de comprar Os internautas de classe C têm 1,06 vezes mais interesse em comprar produtos na web do que a média dos internautas. Se analisarmos apenas internautas das classes A e B, eles demonstram intenções de compra 13% menor do que a média. Por fim, se analisadas as classes A, B, D e E, elas têm propensão a comprar online 20% menor. Ou seja, entre todas as classes sociais, a única que demonstra intenções de compra maiores do que a média da internet é a classe C.

Com esses dados em mãos, que tal começar a pensar em investir?

Fonte: Proxxima