Tendências Do Marketing Digital Que Estão Vindo Com Tudo em 2015

marketing digital 2015

As mudanças no mundo virtual andam acontecendo de modo que fica difícil realmente estar a par de tudo quando o assunto é Marketing Digital. Mas uma coisa é certa: 2015 chegou ditando o que realmente irá vingar, e basta analisar para conseguir identificar algumas dessas ações.

Com isso, separamos alguns pontos que vieram com força neste novo ano e é bem provável que durem por mais um tempo: Continue lendo…

8 coisas que podem prejudicar sua marca

São envolvidas diversas estratégias e esforços quando o objetivo é o sucesso de uma marca. As empresas não podem se dar ao luxo de não investir em estratégias na web e esperar que somente a qualidade do produto o promova.

Tendo isso em mente, alguns erros ainda são cometidos e causam grande atraso no processo, ou até mesmo a falha dele como um todo. Veja alguns dos mais comuns abaixo:

Continue lendo…

Você já ouviu falar de marketing de atribuição?

marketing de atribuição

As possibilidades de comunicação nos canais digitais – redes sociais, sites, e-mail – são múltiplas. Essa diversidade é uma oportunidade para as marcas que querem conversar com os seus públicos, mas também gera um problema: como fazer um plano integrado se as informações estão dispersas em diferentes canais? Essa é a questão que o chamado Marketing de Atribuição quer ajudar a responder.

Segundo Edmardo Galli, country manager da Ignition One no Brasil, o grande problema no marketing digital é que há diferentes canais gerando informações que não se comunicam. Isso acarreta um grande trabalho operacional e, muitas vezes, análises equivocadas dos resultados. A grande questão por trás disso tudo é saber de maneira precisa como as ações em diferentes canais estão impactando os clientes e quais estão gerando mais conversões – e, portanto, devem receber um volume maior de recursos e investimento.

Para isso, as agências e empresas que atuam com marketing digital estão investindo para criar um digital marketing suite  (DMS), um método centralizado que possa medir de que forma cada usuário foi impactado e quanto cada canal contribuiu para a conversão do cliente. Sobre essa questão, um adendo: a empresa precisa ter de forma clara o que entende como conversão. Pode ser a venda de um produto, quando se trata de um canal de e-commerce, a geração de um seed (um cliente que pede o teste de um produto ou uma visita de um vendedor) ou mesmo a formação de uma comunidade engajada na sua marca.

“A atribuição é a prática de alocar valores para cada canal (jogadores) na jornada do cliente até a conversão ou venda (o gol)”, diz Galli. A ideia é poder fazer o tracking da jornada de cada usuário. Um exemplo? Uma jovem inglesa procura um carro popular. Ela faz uma busca no Google com a expressão “carro popular barato” e é impactada por um link patrocinado de uma montadora. Ela acessa o site, vê algumas informações, mas é apenas isso. Dias depois, ela é impactada por um post sobre o mesmo veículo no Facebook. Volta ao site, agora com uma possibilidade maior de conversão, na visão do algoritmo que calcula a temperatura do usuário. Ainda assim, não faz o pedido de teste do automóvel. Como o sistema já sabe que essa jovem está interessada em um carro, é capaz de gerar um banner a partir das informações emitidas por ela com uma promoção desse mesmo modelo de veículo em um site qualquer que ela acesse. Mais uma vez ela é impactada. Algumas semanas mais tarde, ela finalmente faz uma busca diretamente pelo nome do veículo, entra no site, e realiza o pedido do test drive. Como saber qual foi o momento de exposição que teve o peso mais importante nesse processo? O primeiro clique, no link patrocinado, ou o último? “Historicamente, a atribuição não considera a experiência do usuário (engajamento) considerando apenas a conversão final e dando grande peso ao último clique”, diz Galli.

Com o sistema integrado, é possível fazer uma atribuição dinâmica, baseada na experiência de cada usuário, o que pode ser chamado também de atribuição de comportamento. “A internet sempre foi uma comunicação para todo o mundo. A ideia, a partir de agora, é que o usuário seja impactado por coisas que ele realmente goste, realmente tenha interesse”, afirma.

Fonte: PEGN