5 Negócios Brasileiros Que Começaram Do Zero

empreendedorComo uma ideia pode se transformar em um negócio milionário? O empreendedorismo muitas vezes é visto como uma espécie de passe de mágica, restrito a poucos e com chances de dar errado. Os estigmas criados em cima disso causam receios e dúvidas, que muitas vezes impedem novas iniciativas empreendedoras: as pessoas já nascem sabendo? É preciso ter graduação para empreender? E se der errado?

Continue lendo…

10 características para o empreendedor focar em seu negócio digital

Há alguns anos, as empresas.com destacam-se no mercado. Com faturamentos enormes elas têm chamado a atenção de investidores por todo o mundo. Com modelos de negócios cada vez mais inovadores.

Mas, no Brasil, como está o mercado digital e como estão os empreendedores? Sobre a penetração do uso da internet, de acordo com a Ipsos Marplan, o Brasil mostra que tem público para investidores online com uma penetração de usuários de internet com 41% em Salvador, 39% em São Paulo e 36% em Porto Alegre, de toda a população. São 62 milhões de usuários, de acordo com a Ibope Nielsen, sendo o sétimo melhor mercado mundial de internet. E de acordo com o Deloitte, o internauta brasileiro passa três vezes mais tempo no computador do que na televisão.

Com um mercado tão receptivo assim, qual o motivo de não termos empreendedores no meio digital no Brasil? Talvez por questões de investimentos, já que estes empreendedores são jovens, não possuem capital suficiente para fazer um investimento, ou até mesmo conseguir o apoio de um Anjo Investidor. Mas, além das questões de financiamento, há também as características de empreendedorismo, que vão além de uma boa idéia. Segue abaixo as 10 características que todo empreendedor deve ter para fazer o seu negócio digital sob orientação e metodologia do SEBRAE.

Busca de oportunidade e iniciativa: Manter-se informado sobre o mercado e sobre novas tecnologias é fundamental para empreender. Mais importante do que isso, é antecipar-se em idéias e criar negócios inovadores.

Persistência: Empreender não é fácil, dar a “cara à tapa” ao mercado e ser o primeiro a levar dói e, apesar do destaque, há a incredulidade dos investidores e clientes, principalmente por que muitos tem receio do que é novo. O empreendedor digital mais do que qualquer um deve ser persistente.

Correr riscos calculados: O empreendedor que não se arrisca não é empreendedor. Sendo um negócio inovador, ele por si só é arriscado. Mais importante do que simplesmente correr risco, é calculá-los, saber até onde é o limite e o quanto o mercado está preparado para a inovação.

Exigência de qualidade e eficiência: Manter padrões, atender bem os clientes e eficiência é fundamental, o público do mercado digital é bem mais crítico e é mais fácil essas críticas se propagarem.

Comprometimento: Por mais que os empreendedores digitais sejam jovens, negócio não é brincadeira, mesmo tendo um ar de divertimento, e muitas vezes pertencendo ao mercado de entretenimento, um negócio é algo que deve ser encarado com maturidade e seriedade.

Busca de informações: Seja no planejamento inicial ou para manter o negócio, no mercado digital as informações valem mais do que nos demais mercados. Uma nova metodologia, tendência ou tecnologia pode mudar totalmente o mercado. Talvez por isso tantos serviços sejam substituídos por outros na internet.

Estabelecimento de metas: Uma tendência da Geração Y é não valorizar tanto a organização e gestão como as gerações anteriores. Porém estabelecer metas de longo e curto prazos são fundamentais e estimulantes para o seu negócio.

Planejamento e monitoramento sistemáticos: Outro fator que a geração Y possui dificuldade. Desenvolver um bom planejamento, minimizar erros, verificar operações que estão falhando, é importante não somente no início, mas também durante todo o processo.

Persuasão e rede de contatos: Está aí algo que a internet favorece muito, pois no mercado digital é tudo muito expansivo, facilmente divulgado e interativo. Basta ter um serviço de qualidade e uma boa estratégia, aliados com um bom relacionamento com parceiros, colaboradores e clientes, a rede só tende a crescer.

Independência e autoconfiança: É natural da Geração Y ser autoconfiante, porém eles não são muito independentes. Mas é interessante buscar autonomia no mercado e em seu negócio para poder tomar decisões quando for necessário.

Estas são as dez características do empreendedor, claro que não existe empreendedor com todas, uns possuem mais uma característica do que outras. Porém é essencial focar nas que são menos desenvolvidas, para conseguir se superar e fazer o seu empreendimento se destacar no mercado.

Fonte : Mídia Boom

Qualidades pessoais podem ser o seu ingresso em uma empresa

Personalidade, confiança, segurança no que está fazendo, iniciativa e vontade de aprender podem impressionar mais do que um currículo cheio.


Claro que ter um longo histórico profissional e boas referências ajudam na hora de conseguir um emprego, mas as empresas passaram a valorizar também as qualidades pessoais do possível funcionário.

Disposição para aprender, confiança e personalidade extrovertida são três características de profissionais que os gestores procuram naqueles que se candidatam às suas vagas. Veja a seguir três dicas a respeito dessas qualidades que estão sendo exigidas pelo mercado de trabalho:

1. Você não precisa ser especialista em algo para ser bem-sucedido

A vontade de aprender e o interesse podem ser os seus melhores amigos na hora de uma entrevista de emprego. O entusiasmo, vontade de trabalhar e humildade para aprender com os outros também são pontos ao seu favor.

2. A experiência apenas não é uma indicadora de sucesso

Não adianta ser experiente e não saber como se expressar ou ficar muito tímido na hora de passar os seus conhecimentos. É preciso destacar-se e estar sempre preparado para agir em situações que podem te deixar constrangidos, como falar em público.

3. Qualidades podem ser desenvolvidas até certo ponto

Você pode não ser a pessoa mais extrovertida, mas pode praticar até conseguir realizar uma tarefa. Nada é impossível. Basta ter a disposição para se esforçar e dar o seu melhor na empresa.

Fonte : Universia

Horário nobre do Facebook

O período da noite é o horário preferido dos 67 milhões de brasileiros cadastrados no Facebook para acessar a rede social, que tem a quinta-feira como o dia mais movimentado. Os dados são da empresa Scup, especializada em monitoramento e análise das mídias sociais, que identificou o “horário nobre” da internet brasileira pelo segundo ano consecutivo.

De acordo com o levantamento, que levou em conta o conteúdo de 34 milhões de posts e comentários publicados em 2012, a quinta e sexta-feira são os dias da semana em que o Facebook tem maior movimento. Nas quintas, quando a atividade online atinge seu máximo, são publicados 15,85% dos posts e comentários.

Aos fins de semana, por outro lado, o movimento é mais fraco. O pico de calmaria acontece durante os domingos, dia da semana em que há 27% menos conteúdo publicado na rede social em comparação às quintas.

O horário de mais movimento é à noite, geralmente entre 20 e 21 horas. A exceção fica por conta das segundas-feiras, dia em que as pessoas atualizam suas páginas um pouco mais tarde: entre 21h e 22h. O segundo horário de maior audiência acontece perto da hora do almoço, entre as 11 e 12h.

Desconsiderando os picos, o movimento no Facebook é bastante intenso ao longo do dia (entre 10h e 23h). Depois disso, o nível de atividade começa a cair até alcançar um mínimo, o que ocorre entre as 4h r 5h da madrugada. Às segundas-feiras e aos sábados, entretanto, o horário de menor atividade é entre 5h e 6h.

Fonte: Intelligenza

7 erros que podem (e provavelmente vão) irritar seus clientes.

Conseguir um cliente pode ser difícil e trabalhoso. Perder um cliente pode ser fácil e exigir pouco esforço. Por isso é importante que designers, programadores, ilustradores e afins cuidem bem daqueles que são responsáveis pelo tão querido dinheirinho que entra na conta.

Pegue caneta e papel e anote 7 erros que devem ser evitados, pois provavelmente irritarão seus clientes.

1) Falta de comunicação

Uma grande porcentagem dos problemas que surgem com clientes (e mesmo com chefes e colegas de trabalho) poderiam ser resolvidos se a comunicação não fosse negligenciada. É de suma importância que o cliente esteja informado de todos os processos do serviço – inclusive o não cumprimento de prazos ou uma cagada que você cometeu no meio do processo. Muitos clientes não farão muito drama em aceitar o job com alguns dias de atraso, desde que sejam avisados disso, com certa antecedência.

2) Estrelismo

“Ai, eu sou designer, sou o rei do mundo. Meus layouts são os melhores, eu sei de tudo, não gostou vai se ferrar.” Pode acreditar, existem designers (e programadores, e ilustradores…) que se acham acima de qualquer opinião ou crítica. Dão piti quando um cliente não aprova aquilo que eles julgaram ser sua obra-prima. Saber negociar ao ouvir um "não" é essencial.

3) Usar muitos termos técnicos

Às vezes é sem querer, mas muitos profissionais acabam esquecendo que muitos clientes são leigos no assunto e acabam enchendo a mesa de reunião com termos técnicos, deixando o cliente com cara de ponto de interrogação. Talvez seja interessante explicar um assunto técnico de uma forma mais didática, talvez fazendo comparações e analogias.

4) Atrasos

A palavra “atraso” dificilmente estará em uma frase com um final feliz. Se marcou uma reunião com um cliente, esteja preparado para imprevistos saindo com no mínimo 30 minutos de antecedência. Lembre-se que a primeira impressão é a que fica. Chegar no local marcado para a reunião atrasado é péssimo. Se ver que o atraso é inevitável, não se esqueça de avisar o cliente antes e pedir sinceras desculpas. Para evitar essa “saia-justa”, procure organizar sua rotina.

5) Inflexibilidade

Situações mudam, pessoas mudam e talvez seja necessário mudar os planos. Pode ser que seu cliente lhe peça para diminuir o prazo do projeto pois surgiu um imprevisto enorme. Dizer logo de cara um sonoro “não” pode irritá-lo. Se o projeto estiver adiantado, agrade o cliente com o adiantamento do prazo final. Porém, se ver que realmente não é possível acatar o pedido de seu cliente, a melhor saída é a sinceridade. Seja flexível, mas dentro do possível.

6) Falta de tato

Por mais chato que o cliente seja, é essencial ter uma grande medida de tato ao lidar com eles. Isso significa ser firme no que diz, porém sem ofendê-lo ou irrita-lo. Grosseria não vai servir para nada. Mesmo que o cliente lhe ofenda, lembre-se que o profissional é você. Mantenha a calma, conte até dez e só depois disso xingue a mãe dele. (A última parte é brincadeira!)

7) Impaciência

Alguns clientes saberão exatamente o que querem. Outros não. Para alguns, serão necessárias várias reuniões para que entendam o propósito do projeto ou mesmo para que você descubra o que eles realmente querem. A paciência é uma das maiores virtudes. E, acredite, você precisará muito dela.

 

Fonte: Designerd