Quer ter sucesso? Então abandone a autoestima

No lugar dela, cultive a autocompaixão, pois esta pode ser a sua chave da vitória.

Um grupo cada vez maior de pesquisadores e estudiosos está defendendo uma teoria que pode parecer estranha em um primeiro momento: para que você tenha sucesso, é necessário abandonar a sua autoestima. E depois que você se livrar dela, comece a usar uma “atitude” bem parecida: a autocompaixão.

Como explicação, os estudiosos alegam que a autoestima faz com que você se veja obrigado a ser uma pessoa alegre, bem-sucedida e que não comete erros. Quando esses requisitos são alcançados — ou estão bem encaminhados — você já pode se sentir bem e em paz.

O problema começa quando você erra ou quando os seus planos dão errado. Devido a essa “obrigatoriedade” de ser feliz, esses momentos são especialmente trágicos. Dessa maneira, é normal que você encare qualquer situação desfavorável com olhares muito críticos — especialmente em relação às suas atitudes.

Tá, mas e o que é essa autocompaixão?

Quando você sente compaixão por outra pessoa, é normal ver os erros e defeitos dela de maneira compreensiva. Ou seja, a autocompaixão pode ser explicada como o ato de observar os seus próprios erros com brandura — mas sem se esquecer de tentar corrigi-los.

Dessa maneira, você vai entender melhor todos os seus defeitos e vai saber como agir em momentos críticos. Além disso, também vai começar a entender melhor as suas capacitações, de modo que seja possível aceitar momentos negativos sem afetar o seu ego, o que vai pavimentar a sua “trilha do sucesso”.

E quem disse tudo isso?
Essa teoria é baseada em alguns estudos sérios, como o que foi realizado pelas cientistas Juliana Breines e Serena Chen, da Universidade de Berkeley. Elas reuniram diversos voluntários, sendo que uma parte desse grupo falou de si mesmo do ponto de vista da compaixão e a outra da autoestima.

O primeiro grupo soube falar muito bem de todas as suas qualidades e defeitos, sem ser pedante ou injusto com a própria personalidade. Enquanto isso, o segundo teve resultados piores e não conseguiu avançar na pesquisa como os outros.

Fonte:  Tecmundo