Sua empresa está preparada para receber a geração Z?

Nascidos em meados da década de 90, esses jovens talentos são conectados com o mundo digital e prometem uma nova revolução nas companhias, depois de seus colegas antecessores Y.

Depois da geração Y, as empresas precisam se preocupar com a chegada ao mercado de um novo grupo de talentos. São os da geração Z, jovens nascidos em meados da década de 90 (entre 1990 e 1995) , que carregam o título “zapear” por terem crescido com o controle remoto da TV nas mãos, mudando de canais e com acesso às mais modernas tecnologias. Por essas características, eles podem influenciar o ambiente de trabalho, segundo os especialistas.

Os profissionais da era “zapear” têm pouco mais que 20 anos e são conectados com o mundo digital. Eles começam a ingressar no mercado de trabalho, trazendo novos desafios para as organizações que nem aprenderam a lidar ainda com a geração Y e precisam se preparar para receber esses jovens.

Caroline Calaça, especialista em coaching corporativo, explica que a geração Z é um pouco parecida com os profissionais do mundo Y, mas que possuem características diferentes. Os comportamentos comuns entre as duas gerações são ansiedade, ambição, impulsividade, ousadia  e dinamismo.

A principal diferença entre os talentos conectados com a Y é o fato de eles terem crescido totalmente integrados com a tecnologia, o que, segundo a consultora, interfere na forma como agem, pensam e levam o seu ritmo de vida.

Esses profissionais não tiveram que mudar hábitos, como a geração X, e nem se desenvolveram junto com as mudanças tecnológicas como os talentos do mundo Y, pois cresceram em um ambiente ágil e sem barreiras para a informação e a comunicação.

Caroline adverte que a intimidade que a geração Z tem com a internet, eletrônicos, velocidade de informação e mídias sociais causarão impacto nas empresas. Por serem totalmente  conectados ao mundo digital, os Z’s esperam encontrar um ambiente de trabalho semelhante ao seu, que é interativo, veloz, repleto de recursos, cheio de autonomia e individualidade, compartilhado e com pleno acesso aos chefes e gestores.

“O grande desafio das companhias é ter líderes preparados para moderar a geração Z e conseguir retê-la”, afirma a consultora. Ela destaca que os jovens conectados vivem num mundo sem fronteiras e experimentam constantemente coisas novas. Eles trocam de celular a cada seis meses, por exemplo. São usuários intensivos das redes sociais e não entendem porque algumas companhias bloqueiam esses serviços. Para eles, navegar por esses sites faz parte do seu dia a dia.

“A geração Z está sempre em busca de novas experiências e se for trabalhar em empresas que bloqueiam redes sociais, não vão concordar. Eles vão ficar menos tempo nas companhias”. adverte Caroline. Outra característica, é que esses profissionais navegam por muitos sites e acham que conseguem acesso aos CEOs com facilidade. “Eles não sabem porque não podem falar com os presidentes das empresas”, diz a consultora.

Esses profissionais também têm pressa em serem promovidos. Fazem questionamentos constantes e acham que não têm obrigação em se manter em uma empresa caso suas expectativas não sejam alcançadas. Eles querem ser reconhecidos.

“O ritmo tende a ser acelerado. Tudo isso significa um prenuncio de que modificações na linguagem interna, desburocratização, criação de processos mais dinâmicos e a utilização do apoio da tecnologia serão passos inevitáveis para em um futuro próximo integrar estes novos trabalhadores”, acredita Caroline.

Profissionais multitarefa

Ao mesmo tempo geração Z é funcional e multitarefa. Mas essas características positivas podem se tornar negativas se não forem administradas com cuidado. Falar ao telefone, ouvir música, enviar e-mail, conversar no Skype e elaborar planilhas ao mesmo tempo são o típico comportamento desta geração.

Como conseguem fazer muitas tarefas ao mesmo tempo, Caroline destaca a importância de as empresas construírem um ambiente de troca, valorização da diversidade e bom relacionamento entre as gerações X, Y e Z, além de alguns baby boomers, ainda no mercado de trabalho. Tal interação é fundamental para garantir foco, resultados, assertividade, flexibilidade e agilidade. “Se não é possível ter tudo isso em uma única geração, porque não integrar as quatro gerações a favor da empresa, beneficiando a todos os envolvidos?”, questiona ela.

Caroline constata que algumas organizações já conhecem a importância de valorizar e motivar seus funcionários. Para se prepararem para receber a geração Z que já está prestes a iniciar a próxima onda de revolução no mercado de trabalho. Será necessário cuidar da construção de uma cultura organizacional em que a diversidade seja vista como algo positivo e não ameaçador.

Além disso, as empresas terão de capacitar suas lideranças para engajar as pessoas promovendo uma gestão participativa, criando o hábito do feedback constante, agregando valor não apenas para o cliente, mas pra toda a cadeia produtiva e promover aprimoramento pessoal e profissional personalizados.

“São maneiras de investir e estimular os jovens e a todos os demais profissionais para que se sintam  satisfeitos e realizados. Sendo assim, utilizarão toda a energia da qual dispõem para oferecer  o melhor de si para a empresa. As empresas precisam se reinventar para reter talentos e se destacar no mercado”, finaliza Caroline.

Fonte: Computer World