10 características para o empreendedor focar em seu negócio digital

Há alguns anos, as empresas.com destacam-se no mercado. Com faturamentos enormes elas têm chamado a atenção de investidores por todo o mundo. Com modelos de negócios cada vez mais inovadores.

Mas, no Brasil, como está o mercado digital e como estão os empreendedores? Sobre a penetração do uso da internet, de acordo com a Ipsos Marplan, o Brasil mostra que tem público para investidores online com uma penetração de usuários de internet com 41% em Salvador, 39% em São Paulo e 36% em Porto Alegre, de toda a população. São 62 milhões de usuários, de acordo com a Ibope Nielsen, sendo o sétimo melhor mercado mundial de internet. E de acordo com o Deloitte, o internauta brasileiro passa três vezes mais tempo no computador do que na televisão.

Com um mercado tão receptivo assim, qual o motivo de não termos empreendedores no meio digital no Brasil? Talvez por questões de investimentos, já que estes empreendedores são jovens, não possuem capital suficiente para fazer um investimento, ou até mesmo conseguir o apoio de um Anjo Investidor. Mas, além das questões de financiamento, há também as características de empreendedorismo, que vão além de uma boa idéia. Segue abaixo as 10 características que todo empreendedor deve ter para fazer o seu negócio digital sob orientação e metodologia do SEBRAE.

Busca de oportunidade e iniciativa: Manter-se informado sobre o mercado e sobre novas tecnologias é fundamental para empreender. Mais importante do que isso, é antecipar-se em idéias e criar negócios inovadores.

Persistência: Empreender não é fácil, dar a “cara à tapa” ao mercado e ser o primeiro a levar dói e, apesar do destaque, há a incredulidade dos investidores e clientes, principalmente por que muitos tem receio do que é novo. O empreendedor digital mais do que qualquer um deve ser persistente.

Correr riscos calculados: O empreendedor que não se arrisca não é empreendedor. Sendo um negócio inovador, ele por si só é arriscado. Mais importante do que simplesmente correr risco, é calculá-los, saber até onde é o limite e o quanto o mercado está preparado para a inovação.

Exigência de qualidade e eficiência: Manter padrões, atender bem os clientes e eficiência é fundamental, o público do mercado digital é bem mais crítico e é mais fácil essas críticas se propagarem.

Comprometimento: Por mais que os empreendedores digitais sejam jovens, negócio não é brincadeira, mesmo tendo um ar de divertimento, e muitas vezes pertencendo ao mercado de entretenimento, um negócio é algo que deve ser encarado com maturidade e seriedade.

Busca de informações: Seja no planejamento inicial ou para manter o negócio, no mercado digital as informações valem mais do que nos demais mercados. Uma nova metodologia, tendência ou tecnologia pode mudar totalmente o mercado. Talvez por isso tantos serviços sejam substituídos por outros na internet.

Estabelecimento de metas: Uma tendência da Geração Y é não valorizar tanto a organização e gestão como as gerações anteriores. Porém estabelecer metas de longo e curto prazos são fundamentais e estimulantes para o seu negócio.

Planejamento e monitoramento sistemáticos: Outro fator que a geração Y possui dificuldade. Desenvolver um bom planejamento, minimizar erros, verificar operações que estão falhando, é importante não somente no início, mas também durante todo o processo.

Persuasão e rede de contatos: Está aí algo que a internet favorece muito, pois no mercado digital é tudo muito expansivo, facilmente divulgado e interativo. Basta ter um serviço de qualidade e uma boa estratégia, aliados com um bom relacionamento com parceiros, colaboradores e clientes, a rede só tende a crescer.

Independência e autoconfiança: É natural da Geração Y ser autoconfiante, porém eles não são muito independentes. Mas é interessante buscar autonomia no mercado e em seu negócio para poder tomar decisões quando for necessário.

Estas são as dez características do empreendedor, claro que não existe empreendedor com todas, uns possuem mais uma característica do que outras. Porém é essencial focar nas que são menos desenvolvidas, para conseguir se superar e fazer o seu empreendimento se destacar no mercado.

Fonte : Mídia Boom

Sua empresa está preparada para receber a geração Z?

Nascidos em meados da década de 90, esses jovens talentos são conectados com o mundo digital e prometem uma nova revolução nas companhias, depois de seus colegas antecessores Y.

Depois da geração Y, as empresas precisam se preocupar com a chegada ao mercado de um novo grupo de talentos. São os da geração Z, jovens nascidos em meados da década de 90 (entre 1990 e 1995) , que carregam o título “zapear” por terem crescido com o controle remoto da TV nas mãos, mudando de canais e com acesso às mais modernas tecnologias. Por essas características, eles podem influenciar o ambiente de trabalho, segundo os especialistas.

Os profissionais da era “zapear” têm pouco mais que 20 anos e são conectados com o mundo digital. Eles começam a ingressar no mercado de trabalho, trazendo novos desafios para as organizações que nem aprenderam a lidar ainda com a geração Y e precisam se preparar para receber esses jovens.

Caroline Calaça, especialista em coaching corporativo, explica que a geração Z é um pouco parecida com os profissionais do mundo Y, mas que possuem características diferentes. Os comportamentos comuns entre as duas gerações são ansiedade, ambição, impulsividade, ousadia  e dinamismo.

A principal diferença entre os talentos conectados com a Y é o fato de eles terem crescido totalmente integrados com a tecnologia, o que, segundo a consultora, interfere na forma como agem, pensam e levam o seu ritmo de vida.

Esses profissionais não tiveram que mudar hábitos, como a geração X, e nem se desenvolveram junto com as mudanças tecnológicas como os talentos do mundo Y, pois cresceram em um ambiente ágil e sem barreiras para a informação e a comunicação.

Caroline adverte que a intimidade que a geração Z tem com a internet, eletrônicos, velocidade de informação e mídias sociais causarão impacto nas empresas. Por serem totalmente  conectados ao mundo digital, os Z’s esperam encontrar um ambiente de trabalho semelhante ao seu, que é interativo, veloz, repleto de recursos, cheio de autonomia e individualidade, compartilhado e com pleno acesso aos chefes e gestores.

“O grande desafio das companhias é ter líderes preparados para moderar a geração Z e conseguir retê-la”, afirma a consultora. Ela destaca que os jovens conectados vivem num mundo sem fronteiras e experimentam constantemente coisas novas. Eles trocam de celular a cada seis meses, por exemplo. São usuários intensivos das redes sociais e não entendem porque algumas companhias bloqueiam esses serviços. Para eles, navegar por esses sites faz parte do seu dia a dia.

“A geração Z está sempre em busca de novas experiências e se for trabalhar em empresas que bloqueiam redes sociais, não vão concordar. Eles vão ficar menos tempo nas companhias”. adverte Caroline. Outra característica, é que esses profissionais navegam por muitos sites e acham que conseguem acesso aos CEOs com facilidade. “Eles não sabem porque não podem falar com os presidentes das empresas”, diz a consultora.

Esses profissionais também têm pressa em serem promovidos. Fazem questionamentos constantes e acham que não têm obrigação em se manter em uma empresa caso suas expectativas não sejam alcançadas. Eles querem ser reconhecidos.

“O ritmo tende a ser acelerado. Tudo isso significa um prenuncio de que modificações na linguagem interna, desburocratização, criação de processos mais dinâmicos e a utilização do apoio da tecnologia serão passos inevitáveis para em um futuro próximo integrar estes novos trabalhadores”, acredita Caroline.

Profissionais multitarefa

Ao mesmo tempo geração Z é funcional e multitarefa. Mas essas características positivas podem se tornar negativas se não forem administradas com cuidado. Falar ao telefone, ouvir música, enviar e-mail, conversar no Skype e elaborar planilhas ao mesmo tempo são o típico comportamento desta geração.

Como conseguem fazer muitas tarefas ao mesmo tempo, Caroline destaca a importância de as empresas construírem um ambiente de troca, valorização da diversidade e bom relacionamento entre as gerações X, Y e Z, além de alguns baby boomers, ainda no mercado de trabalho. Tal interação é fundamental para garantir foco, resultados, assertividade, flexibilidade e agilidade. “Se não é possível ter tudo isso em uma única geração, porque não integrar as quatro gerações a favor da empresa, beneficiando a todos os envolvidos?”, questiona ela.

Caroline constata que algumas organizações já conhecem a importância de valorizar e motivar seus funcionários. Para se prepararem para receber a geração Z que já está prestes a iniciar a próxima onda de revolução no mercado de trabalho. Será necessário cuidar da construção de uma cultura organizacional em que a diversidade seja vista como algo positivo e não ameaçador.

Além disso, as empresas terão de capacitar suas lideranças para engajar as pessoas promovendo uma gestão participativa, criando o hábito do feedback constante, agregando valor não apenas para o cliente, mas pra toda a cadeia produtiva e promover aprimoramento pessoal e profissional personalizados.

“São maneiras de investir e estimular os jovens e a todos os demais profissionais para que se sintam  satisfeitos e realizados. Sendo assim, utilizarão toda a energia da qual dispõem para oferecer  o melhor de si para a empresa. As empresas precisam se reinventar para reter talentos e se destacar no mercado”, finaliza Caroline.

Fonte: Computer World

Três dicas para a empresa que quer exportar

Ganhar o mundo e exportar a própria marca é uma das metas comuns para muitos empreendedores quando as vendas começam a ganhar fôlego no mercado brasileiro. Mas há alguns passos que precisam ser cumpridos pela empresa que pretende se internacionalizar. O italiano Nicola Minervini, consultor na área e autor do livro O Exportador, que é reeditado há 21 anos no país, organizou um check list com 106 itens que auxiliam a organizar esse processo.

“A empresa que atua no mercado interno é como se estivesse em uma piscina, e o mercado externo é como se fosse um oceano”, diz Minervini. Para ele, a exportação é uma maneira de a empresa ganhar competitividade e se preparar para disputar também o mercado interno, que não está livre da entrada de produtos importados de outros países.

Veja abaixo algumas dicas do especialista:

1. Visite uma feira internacional
Para Minervini, o primeiro passo para quem quer ingressar no mercado internacional é visitar a maior feira internacional do seu setor de atuação. “Nunca vá a uma feira como expositor se ainda não a conhece como visitante. Você pode acabar na feira errada”, diz. Para o consultor, eventos que reúnem empresas de todo o mundo são uma importante oportunidade para o empresário brasileiro medir a sua competitividade e as suas condições de preço, tecnologia e design em relação aos demais produtores mundiais.

2. Reflita sobre a pergunta: por que eu quero exportar?
O autor diz que costuma fazer esse questionamento aos empresários que o procuram para iniciar o processo de internacionalização. Se a resposta é buscar uma alternativa ao mercado interno, que vai mal, para crescer, Minervini aconselha a repensar a estratégia. “Quando uma empresa está exportando ela leva não só a sua marca consigo, mas também a do Brasil”, diz.

Quando a empresa vende para fora somente quando o cenário é favorável, mas interrompe o processo quando o mercado interno volta a crescer, essa imagem fica prejudicada. Na opinião do autor, a empresa deve buscar a exportação como uma maneira de aumentar a sua competitividade, expandir a sua atuação ou diversificar riscos. Além disso, a exportação é uma atividade de médio e longo prazo – por isso não deve ser encarada como uma alternativa para a crise ou uma solução passageira.

3. Trabalhe em redes
De acordo com Minervini, o empresário brasileiro tem dificuldades em estabelecer parcerias com outras empresas. Mas, para as pequenas e médias empresas, esse é o melhor caminho para garantir sucesso no mercado internacional.

O autor propõe um modelo chamado Sistema Integrado de Promoção da Exportação (SIME), que esquematiza um formato de cooperação entre empresas do mesmo setor que não são necessariamente fabricantes do mesmo tipo de produto. Um exemplo é a organização de empresas da cadeia de moda. Poderiam trabalhar de maneira organizada fabricantes de joias, sapatos e confecções, entre outros itens, de maneira integrada, diz Minervini.

Para que esse formato de cooperação dê certo, é fundamental que o grupo seja homogêneo – as empresas devem ter níveis semelhantes de tecnologia, qualidade e preço – e que trabalhe em conjunto para contratar serviços de promoção, design ou compra de matéria-prima. O gerente do consórcio deve ser um administrador desvinculado das empresas e contratado para isso. Por fim, a venda deve ser feita de maneira individual por cada uma das empresas.

Fonte: Revista PEGN