10 características para o empreendedor focar em seu negócio digital

Há alguns anos, as empresas.com destacam-se no mercado. Com faturamentos enormes elas têm chamado a atenção de investidores por todo o mundo. Com modelos de negócios cada vez mais inovadores.

Mas, no Brasil, como está o mercado digital e como estão os empreendedores? Sobre a penetração do uso da internet, de acordo com a Ipsos Marplan, o Brasil mostra que tem público para investidores online com uma penetração de usuários de internet com 41% em Salvador, 39% em São Paulo e 36% em Porto Alegre, de toda a população. São 62 milhões de usuários, de acordo com a Ibope Nielsen, sendo o sétimo melhor mercado mundial de internet. E de acordo com o Deloitte, o internauta brasileiro passa três vezes mais tempo no computador do que na televisão.

Com um mercado tão receptivo assim, qual o motivo de não termos empreendedores no meio digital no Brasil? Talvez por questões de investimentos, já que estes empreendedores são jovens, não possuem capital suficiente para fazer um investimento, ou até mesmo conseguir o apoio de um Anjo Investidor. Mas, além das questões de financiamento, há também as características de empreendedorismo, que vão além de uma boa idéia. Segue abaixo as 10 características que todo empreendedor deve ter para fazer o seu negócio digital sob orientação e metodologia do SEBRAE.

Busca de oportunidade e iniciativa: Manter-se informado sobre o mercado e sobre novas tecnologias é fundamental para empreender. Mais importante do que isso, é antecipar-se em idéias e criar negócios inovadores.

Persistência: Empreender não é fácil, dar a “cara à tapa” ao mercado e ser o primeiro a levar dói e, apesar do destaque, há a incredulidade dos investidores e clientes, principalmente por que muitos tem receio do que é novo. O empreendedor digital mais do que qualquer um deve ser persistente.

Correr riscos calculados: O empreendedor que não se arrisca não é empreendedor. Sendo um negócio inovador, ele por si só é arriscado. Mais importante do que simplesmente correr risco, é calculá-los, saber até onde é o limite e o quanto o mercado está preparado para a inovação.

Exigência de qualidade e eficiência: Manter padrões, atender bem os clientes e eficiência é fundamental, o público do mercado digital é bem mais crítico e é mais fácil essas críticas se propagarem.

Comprometimento: Por mais que os empreendedores digitais sejam jovens, negócio não é brincadeira, mesmo tendo um ar de divertimento, e muitas vezes pertencendo ao mercado de entretenimento, um negócio é algo que deve ser encarado com maturidade e seriedade.

Busca de informações: Seja no planejamento inicial ou para manter o negócio, no mercado digital as informações valem mais do que nos demais mercados. Uma nova metodologia, tendência ou tecnologia pode mudar totalmente o mercado. Talvez por isso tantos serviços sejam substituídos por outros na internet.

Estabelecimento de metas: Uma tendência da Geração Y é não valorizar tanto a organização e gestão como as gerações anteriores. Porém estabelecer metas de longo e curto prazos são fundamentais e estimulantes para o seu negócio.

Planejamento e monitoramento sistemáticos: Outro fator que a geração Y possui dificuldade. Desenvolver um bom planejamento, minimizar erros, verificar operações que estão falhando, é importante não somente no início, mas também durante todo o processo.

Persuasão e rede de contatos: Está aí algo que a internet favorece muito, pois no mercado digital é tudo muito expansivo, facilmente divulgado e interativo. Basta ter um serviço de qualidade e uma boa estratégia, aliados com um bom relacionamento com parceiros, colaboradores e clientes, a rede só tende a crescer.

Independência e autoconfiança: É natural da Geração Y ser autoconfiante, porém eles não são muito independentes. Mas é interessante buscar autonomia no mercado e em seu negócio para poder tomar decisões quando for necessário.

Estas são as dez características do empreendedor, claro que não existe empreendedor com todas, uns possuem mais uma característica do que outras. Porém é essencial focar nas que são menos desenvolvidas, para conseguir se superar e fazer o seu empreendimento se destacar no mercado.

Fonte : Mídia Boom

Quer ter sucesso? Então abandone a autoestima

No lugar dela, cultive a autocompaixão, pois esta pode ser a sua chave da vitória.

Um grupo cada vez maior de pesquisadores e estudiosos está defendendo uma teoria que pode parecer estranha em um primeiro momento: para que você tenha sucesso, é necessário abandonar a sua autoestima. E depois que você se livrar dela, comece a usar uma “atitude” bem parecida: a autocompaixão.

Como explicação, os estudiosos alegam que a autoestima faz com que você se veja obrigado a ser uma pessoa alegre, bem-sucedida e que não comete erros. Quando esses requisitos são alcançados — ou estão bem encaminhados — você já pode se sentir bem e em paz.

O problema começa quando você erra ou quando os seus planos dão errado. Devido a essa “obrigatoriedade” de ser feliz, esses momentos são especialmente trágicos. Dessa maneira, é normal que você encare qualquer situação desfavorável com olhares muito críticos — especialmente em relação às suas atitudes.

Tá, mas e o que é essa autocompaixão?

Quando você sente compaixão por outra pessoa, é normal ver os erros e defeitos dela de maneira compreensiva. Ou seja, a autocompaixão pode ser explicada como o ato de observar os seus próprios erros com brandura — mas sem se esquecer de tentar corrigi-los.

Dessa maneira, você vai entender melhor todos os seus defeitos e vai saber como agir em momentos críticos. Além disso, também vai começar a entender melhor as suas capacitações, de modo que seja possível aceitar momentos negativos sem afetar o seu ego, o que vai pavimentar a sua “trilha do sucesso”.

E quem disse tudo isso?
Essa teoria é baseada em alguns estudos sérios, como o que foi realizado pelas cientistas Juliana Breines e Serena Chen, da Universidade de Berkeley. Elas reuniram diversos voluntários, sendo que uma parte desse grupo falou de si mesmo do ponto de vista da compaixão e a outra da autoestima.

O primeiro grupo soube falar muito bem de todas as suas qualidades e defeitos, sem ser pedante ou injusto com a própria personalidade. Enquanto isso, o segundo teve resultados piores e não conseguiu avançar na pesquisa como os outros.

Fonte:  Tecmundo